Menú Cerrar

2010-05-28 Silo, Parque Manantiales, Chile

Encontro com Silo Parques de estudo e reflexão Los Manantiales 28 de maio, 2010
…Há um mal estar total, em todos os campos. Esse mal estar vai sendo notado. E isso dos agitadores. E vamos para lá. Para as maravilhas que fazem os que querem ordenar tudo Ameaçando com bombas e com metralhas em todos os lados. Para o bonito que foram feitas as coisas até hoje. Para o bem que foi deixado o mundo. Somente temos um brinde para fazer e levantar as taças. Frente a todas as coisas asquerosas que há no mundo, frente a esta desintegração, a esta coisa centrífuga, em todo sentido, há a criação de vida sintética » Vocês dirão: «Ah bom mas vão aproveitar para…».. Aproveitarão o que queiram, mas esse fenômeno, nunca antes se deu. E é um fenômeno totalmente novo que vai trazer muita cauda. Se frente a esta desintegração e a esta decadência total começam a aparecer fenômenos desse tipo, vamos nos encontrar com a cauda dos novos tempos. Há sintomas de novos tempos, não só os desbordes, é um aspecto, há outras coisas. Há um novo horizonte Claramente está se perfilando um novo horizonte. Assim é que não vai nos interessar muito já continuar criticando os desastres do mundo atual. Já o conhecemos, já sabemos para onde vai Estamos podres de perder tempo criticando os desastres do mundo atual. Agora vamos… vamos à vida artificial. Não, mas merece um brinde. Sim merece! Que vão manipular, que vão Instrumentar, não cabe a menor dúvida, isso foi feito com todas as coisas. Porém de todos os modos, escapou-se das mãos; dos controles de sempre. Escapou-se. Agora há alguns que estão irritadíssimos com isso. «Há de deixar de brincar de Deus», dizem Ah claro, os que têm que brincar de Deus são eles; que dizem o que há de fazer e o que não há de fazer. Mas se dizem os outros… Estamos brincando de Deus, e isso de estar brincando de Deus me parece que é muito boa direção. Muito boa direção Como diziam nossos queridos antepassados, já muito distantes «Nem deus nem amo». Mas que haja um espírito divino nas pessoas… Hei! Vamos! Un mínimo de poesía. No se puede ser tan bestia. Vamos! Um mínimo de poesia. Não se pode ser tão bestial É algo intolerável. Um mínimo de poesia. E está se abrindo um horizonte Queremos lhe chamar um horizonte de poesia, na prática? Bom, como queira. Uma «nova espiritualidade»? bom, porque não? Mas está se abrindo outra fronteira mental sem nenhuma dúvida!…

2006-10-28 Silo, La Reja, Buenos Aires, Cerimônia de Imposição

Nós vamos fazer uma Cerimônia de Imposição. E é para nós a questão da Força e tudo isso. Vamos repetir frases desse texto. E à medida que vamos dizendo essas frases, ajudam ao que se está dizendo. Vamos repetir para ajudar que cada um vá nessa direção. Cada um tem formas de se sintonizar, ou não. A melhor forma de se sintonizar nessas coisas é se meter com suas coisas, em “minha mente está inquieta…”, “meu corpo…” não sei o quê, bem, e tudo isso. Mas, tratando de me conectar com alguém que está dentro, que é consigo mesmo. Que é uma boa pessoa. Não há porque escapar disso. E temos que apontar a essa coisa interna de “boa pessoa”, que todos, inclusive eu mesmo, tenho. Todo o planeta, todo mundo tem uma boa pessoa dentro. Assim, porque tanta história e tanta distância quando temos aí algo para colocarmos em sintonia. Com nós mesmos. Com essa coisa interna que muitas vezes não vemos. Lógico que não vemos quando nos olhamos no espelho. Melhor assim, melhor assim. Ver como conseguimos essa sintonia. Vamos repetindo em algum momento algumas frases, até que consigamos nos sintonizar. Não com outros. Não com o “todo” e essas coisas. Não. Consigo mesmo. Com essa coisa profunda de cada um. Com o profundo de cada um. Com essa coisa que não tem tantas palavras